| | Comments: (0)

Vinho e poesia

" Se eu gosto de poesia?
Gosto de gente, bichos, plantas, lugares, chocolate, vinho,
papos amenos, amizade, amor.
Acho que a poesia está contida nisso tudo"


(Carlos Drummond de Andrade)
| | Comments: (0)

Salton Talento 2006


Este vinho é produzido pela vinícola Salton, em Bento Gonçalves,RS. Elaborado com as variedades de uvas Cabernet Sauvignon (60%), Merlot (30%) e Tannat (10%). Foi envelhecido por 12 meses em barricas de carvalho francês novo e após o engarrafamento permaneceu por mais 12 meses em caves subterrâneas. É um vinho elegante, concentrado, de muita fruta e bom corpo. Os taninos são suaves ou seja, na medida. O final é prolongado. Valeu a compra.

Nota - Este vinho foi agraciado com o prêmio de melhor vinho brasileiro pelo principal guia de vinhos da América do Sul - o Descorchados 2010.

Preço médio - R$60,00
| | Comments: (2)

"Beber Vinho" faz seu primeiro aniversário

Nesta Páscoa, o blog Beber Vinho está completando seu primeiro ano, fico muito feliz e agradeço a todos pela visita. Feliz também pela quantidade de acessos, mais de 10.000; foi uma surpresa boa. Agradeço ao Filipe(sobrinho) pelo trabalho de criação e layout. Um brinde!
| | Comments: (0)

Jerez e seus estilos

Bem, como prometi, eis o post sobre os estilos de Jerez, escolha o seu e aproveite (leia também postagem no blog sobre a produção de Jerez).

SECOS E MEIO SECOS:

Jerez Fino - o mais jovem (mínimo 3 anos) e seco de todos.
Manzanilla - o Fino leve, feito em Sanlúcar de Barrameda.
Amontillado - à moda da cidade vizinha de Montilla: um Fino envelhecido por 5 a 7 anos ou mais.
Oloroso - oxidativo, mais velho, de cor âmbar.
Palo Cortado - Fino que perdeu logo a flor, raro, a meio caminho entre o Amontillado e o Oloroso.

DOCES

Pale Cream - Fino adoçado com mosto de uvas-passas Pedro Ximénez (PX).
Cream - Oloroso adoçado com mosto de uvas-passas PX.
Moscatel - mistela* de mosto de uvas-passas Moscatel e álcool.
Pedro Ximénez - mistela* de mosto de uvas-passas PX e álcool.

*Mistela - mistura de mosto doce cru e aguardente ou álcool vínicos.

Fonte - Coleção Folha - O mundo do vinho.
| | Comments: (0)

Dal Pizzol Touriga Nacional 2009


Ganhei este vinho de presente...adorei! Elaborado pela Dal Pizzol (Bento Gonçalves,RS) em comemoração aos 200 anos da chegada de D. João VI e sua corte ao Brasil. Por este motivo a escolha da cepa Touriga Nacional, uva emblemática portuguesa. O vinho amadureceu por 10 meses em tanques de inox e mais 03 meses descansando nas garrafas. De cor rubi, aromático e agradável ao nariz. Taninos macios e delicados. Delicioso de beber. Valeu!
| | Comments: (0)

Casillero del Diablo Sauvignon Blanc 2009


Vai a minha dica para acompanhar o cardápio leve (quem escolher) da páscoa. Este vinho é produzido pela Concha Y Toro, no Valle Central, Chile. Elaborado 100% com a variedade Sauvignon Blanc. De cor amarelo palha brilhante; é leve, refrescante e com acidez na medida. Um bom custo-benefício. Valeu a escolha.

Onde - Supermercado Carrefour
Quanto - R$29,00
| | Comments: (0)

Frontera Colheita Tardia


Uma boa opção de vinho de sobremesa por um preço acessível - é produzido pela vinícola Concha Y Toro, Valle Central, Chile. Elaborado com a variedade de uva Moscatel, de cor amarelo brilhante, aromático, acidez e doçura na medida. Servir entre 6° e 8°. Vale experimentar.


Onde - Supermercado Carrefour
Quanto - R$20,00
| | Comments: (0)

A produção de Jerez


Em Andaluzia, sudeste da Espanha, é feita a produção de Jerez sempre a partir de uvas brancas (Palomino - principal, Moscatel e Pedro Ximénez - coadjuvantes). Há duas famílias básicas: a dos Finos e Manzanilla e a dos Olorosos. A diferença entre elas deriva de uma peculiaridade das leveduras Sacharomyces que ali se desenvolvem. Elas formam uma camada (filme ou película) branca e viva (é uma colônia de leveduras) que cobre o vinho, impedindo seu contato com o ar. Além de dar sabor e aromas inconfundíveis aos vinhos de Jerez, essa película se forma quando o vinho atinge entre 11° e 12° de teor alcoólico e continua (além da evaporação) a baixar esse teor. A isso o espanhol chama de crianza biológica. Finos e Manzanillas são fortificados só depois de prontos, ou seja, são secos.
Às vezes a película (chamada flor) não se forma. O vinho oxida na barrica aberta de 600 litros, chamada "bota", exposto ao ar (a "bota" é preenchida apenas com 500 litros). Torna-se um Jerez Oloroso, de cor âmbar, de crianza oxidativa. A outra peculiaridade da produção de Jerez é o sistema de Soleras e Criaderas. Solera é a linha de barricas que fica rente ao solo (daí o nome), em um arranjo vertical (mas as barricas também podem ficar em salas diferentes. É dessas barricas finais da Solera que sai o vinho para o engarrafamento. Sobre elas (ou em outra sala) ficam as barricas chamadas Criaderas, geralmente três (podem superar dez).
O vinho da terceira Criadera vai para a Solera. O da segunda Criadera desce (ou vai) para a terceira. O vinho novo, pronto, é colocado na primeira Criadera, e assim por diante. O Jerez não é safrado, pois contém moléculas de vinhos de dezenas, até centenas, de safras diferentes.

Nota - Aguardem post sobre os estilos de Jerez

Fonte - Coleção Folha - O mundo do vinho.
Foto - vinhositalianos.blogspot.com


| | Comments: (0)

Mousse de chocolate meio amargo

Bem, Páscoa pede sobremesas à base de chocolate, melhor ainda se for rápida e fácil de fazer. A minha dica é esta mousse...deliciosa!
Para fazer esta maravilha basta dispor de 03 ovos(gemas e claras separadas), 02 colheres de sopa de açúcar, 01 xícara de creme de leite fresco, 200g de chocolate meio amargo partido em pedacinhos e lascas de chocolate meio amargo e branco para decorar.
Vamos lá...na batedeira, bata as gemas até dobrar de volume. Junte o açúcar e bata por mais 05 minutos. Derreta o chocolate em banho-maria e acrescente ao creme de gemas. Misture. Na batedeira, bata o creme de leite fresco, até ficar cremoso, quase firme. Acrescente ao creme de chocolate e misture com uma espátula. Bata as claras em neve até obter picos firmes e junte à mousse. Misture cuidadosamente. Gele por duas horas. Decore com lascas de chocolate e sirva.

Chocolate vai bem com vinho...que tal um Porto? Faça a sua escolha.

Receita - Revista da Folha (não me lembro a data).

| | Comments: (0)

Vinho e amigo

" Do sabor das coisas

Por mais raro que seja,
Ou mais antigo,
Só um vinho é deveras excelente:
Aquele que tu bebes calmamente
Com o teu mais velho
E silencioso amigo...

Mário Quintana



| | Comments: (0)

O vinho do Porto - Rubies e Tawnies


O vinho do Porto é o fortificado mais famoso. Existem os brancos, a única variação em que temos o Porto seco. Famosos mesmo são os tintos, divididos em dois grupos principais: a família dos Ruby e a dos Tawny:

Rubies

1 - Porto Ruby - o mais simples e barato.
2 - Vintage - safrado, indica o ano de produção, o campeão dessa série. Os de uma só quinta(pequena propriedade) são os melhores. São feitos apenas nas melhores safras, aprovados pelo IVP (Instituto do Vinho do Porto).
3 - Late Bottled Vintage(LBV) - meio caminho entre Ruby e Tawny, fica de quatro a seis anos em barricas antes de ser engarrafado. Mas é safrado e tem cor de vinho.
4 - Vintage Caracter - na mesma linha que o LBV, sem indicar a safra.
5 - Crusted - matura em barrica por três anos e depois é engarrafado. Forma espessa borra ou crosta, crust em inglês.

Tawnies

1 - Porto Tawny - o aloirado mais simples e barato.
2 - Tawny 10, 20, 30 e 40 anos: os grandes oxidados. São feitos de mistura de vinhos de vários anos e são certificados pelo IVP(Instituto do Vinho do Porto) através de degustações, por parecer ter a idade que indicam. Soa estranho, mas é assim.
3 - Colheitas - são os oxidados de uma só safra, indicada no rótulo. Divertido é comprar um do ano de seu nascimento, sem risco: esses Portos, de tão longevos, são imortais!

Fonte - Coleção Folha - O mundo do vinho
Foto - duas-ou-tres.blogspot.com
| | Comments: (0)

Vinho e velhice

"Agora que a velhice começa, preciso aprender com o vinho a melhorar envelhecendo e, sobretudo, a escapar do terrível perigo de, envelhecendo virar vinagre" ( Dom Hélder Câmara).
| | Comments: (2)

Colheita Tardia

A maneira mais usual de concentrar açúcar nas uvas é deixá-las no pé por mais tempo do que o necessário para a sua maturação fenólica (quando o teor de polifenóis atinge o máximo para aquela variedade de uva, e começa e decrescer). A esse sistema se dá o nome de colheita tardia. Em termos gerais, a colheita tardia é simplesmente um adiamento da hora da colheita, mas é quase sempre uma operação de alto risco para o viticultor. A estação climática do ano começa gradativamente a mudar. E, seja no hemisfério norte, em outubro, ou no hemisfério sul, em maio, a temperatura tende a cair. Nenhum problema com isso, se não houver um fenômeno climático indesejado, como geadas de outono ou as temidas chuvas de granizo. Algumas vinícolas usam telas ou malhas de nylon sobre o vinhedo para evitar o granizo. Outras têm sistema de calefação por fogo (com salamandras) entre as vinhas, ou instalam hélices que ventilam os vinhedos para evitar geadas. Um brinde aos viticultores!

Fonte/Foto - Coleção Folha - O mundo do vinho
| | Comments: (0)

Personalidade do vinho

" Não fico surpreso que as pessoas não identifiquem estes aromas todos nos vinhos que compram. Eu mesmo não sou capaz de reconhecê-los. Aliás, acho muito aborrecido. Não estou interessado nisso e sim, na personalidade do vinho"
(Aubert de Villaine - proprietário da Domaine de Romaneé-Conti).
| | Comments: (0)

Bordeaux: qual a sua margem preferida?

Bordeaux conta com o rio Gironde, cujo estuário tem uma influência calorosa sobre o clima da região. Portanto, o vinho receberá as características da região a qual ele é proveniente.

Margem esquerda, o império da Cabernet Sauvignon: À margem esquerda do Gironde se encontram terras fantásticas para o cultivo da Cabernet Sauvignon. É o império desta cepa, embora também Merlot e Cabernet Franc sejam ali plantadas. Logo, se você aprecia vinhos de taninos pronunciados, boa acidez, com aquelas notas de especiarias, pimenta ou aroma de cassis, provavelmente a sua margem é a esquerda.
Na margem esquerda ao norte de Bordeaux tem a região do Médoc, que produz vinhos potentes com grande fineza e forte influência de Cabernet Sauvignon, complexidade e potencial de envelhecimento. Harmonizam com caça e carne vermelha.
Ao sul de Bordeaux está Graves, que produz vinhos elegantes e estruturados com excelente potencial de envelhecimento. Entre o Médoc e Graves ainda tem várias localidades que fazem belíssimos vinhos: Saint-Estéphe, Pauillac, Saint Julien, Haut-Médoc, Listrac-Médoc, Moulis, Margaux, Pessac-Leógnan. Cada uma dessas regiões produzem vinhos com tipicidade e nuances próprias - o chamado terroir.

Margem direita, o império da Merlot: À margem direita está Saint-Émilion, com as vilas de Pomerol e Fronsac que produzem belíssimos vinhos à base de Merlot com Cabernet Franc. Esta é a sua margem se você é fã de vinhos mais redondos com taninos versáteis, aromas de frutas vermelhas, cerejas. É também deste lado que está o famoso Petrus.

Fonte - Revista Alpha Report ( Set/10 )
Foto - Vinhedo em Bordeaux - França
| | Comments: (0)

Poesia, vinho e companhia.

" Para uma vida melhor: poesia, vinho e uma companhia. Porque a poesia tem de estar na alma, uma boa companhia sempre ao nosso lado. E um bom vinho...Ah! é sempre indispensável". (Carolina Salcides)